A hora de poupar para o futuro

É tempo de bônus demográfico no Brasil. Este conceito criado por David Bloom, economista e demógrafo de Harvard, significa que o número de trabalhadores que produzem, com idades entre 15 e 65 anos, supera o de adolescentes, crianças e idosos.

No Brasil de hoje, 60% dos brasileiros estão nesta faixa produtiva, com idade média de 32 anos.

Esse bônus perdura entre 30 e 40 anos. Depois, a parcela de idosos começa a aumentar, o número de trabalhadores cai, e os custos com saúde e aposentadoria crescem.

O IBGE já identificou, inclusive, a tendência de queda da demanda por novas escolas, ônus da queda da taxa de natalidade.

Então, a hora de poupar para o futuro é agora. E não podemos contar com o governo federal, que não poupa nada, é mau gestor financeiro e mal fiscalizado.

Mas o cidadão brasileiro ainda poupa pouco. Uma questão cultural. Os anos de inflação alta, os planos econômicos desastrados e a quebra das antigas previdências privadas traumatizaram as pessoas.

No Brasil, a poupança das famílias equivale a só 4,5% do PIB, um nível baixo, menor que os europeus, e muito atrás da India, China e Indonésia, com taxas de 20% do PIB.

Olha, é no outono que temos que encher o celeiro para suportar o rigor do inverno.

Pensem nisso, amigos .

Anúncios