A velhice não é igual para todos

Um amigo de 60 anos pergunta se deve ou não parar,já que teria uma boa aposentadoria. Olha, a palavra parar tem a ver com fim, término, ocaso e eu não gosto dela.
Vejam, o astronauta John Glenn Jr. foi pela segunda vez ao espaço aos 77 anos, Jeanette Polmon é modelo e fotografa de lingerie aos 65 anos, Koji Teramito é campeão de patinação aos 70 e Pelé, profissionalmente,viaja o mundo aos 77 anos.Eles nunca vão parar. Niemeyer trabalhou até os 104 anos.
Existem alguns mitos que devem ser derrubados. Primeiro: que todos envelhecem igual. Mentira. O envelhecimento depende de fatores biológicos sim, mas muito da educação, do estilo de vida e, principalmente, da cabeça. Uns envelhecem, outros amadurecem.
Outro mito: que o idoso é improdutivo, inútil. Mentira. Dê-lhe oportunidades, que sua experiência, no mínimo, evitará erros brutais, pois ele já viu esses filmes.
Terceiro mito: que os idosos sabem menos que os jovens de hoje. Não é verdade. Estes têm mais conhecimento e dominam novas tecnologias. Mas isso não significa mais sabedoria, a qual vem da percepção, da intuição, da vida vivida, do conhecimento, não só adquirido, mas também aplicado no cotidiano de décadas de acertos e erros experimentados.
Enfim, para mim, viver muito depende de nunca parar. Nunca parar de trabalhar, de ter objetivos e de sonhar.

Consultas sobre finanças e previdência : (41) 3013-1483

Anúncios